Imposto de Renda médico: saiba como declarar corretamente!

Imposto de Renda médico: saiba como declarar corretamente!

No início de cada ano, é comum a preocupação com a declaração do Imposto de Renda médico. Ainda que ela, por si só, já traga várias questões a serem determinadas, a área da saúde apresenta peculiaridades que devem ser consideradas quando chega a hora de declarar.

O período disponível para a declaração do Imposto de Renda é de aproximadamente dois meses. Embora possa parecer muito tempo, é imprescindível que o planejamento seja feito com antecedência e que não se deixe para a última hora para evitar atrasos e pagamentos de multa.

É preciso ter em mente que a declaração é um processo anual e obrigatório, e que sua preparação faz parte do nosso dia a dia.

Pensando nas particularidades da área da saúde e do cotidiano clínico, apresentaremos, neste post, as principais dúvidas sobre a correta declaração do Imposto de Renda médico. Confira!

Por onde começar?

O primeiro passo vem muito antes de sequer nos lembrarmos do Imposto de Renda. Uma organização diária, constante e disciplinada forma a base para a declaração segura, sem pressa, pontas soltas ou atrasos.

É preciso lembrar que os pacientes também podem declarar suas consultas e procedimentos como despesas médicas, portanto, é primordial que todos os serviços tributáveis da clínica sejam também declarados pelo médico.

Desta forma, os serviços podem ser cruzados no sistema da Receita Federal e não somos chamados a dar explicação de dados conflitantes.

Tendo em mãos o CPF dos pacientes, uma planilha de serviços oferecidos e os gastos dedutíveis da clínica, é interessante acessar o simulador oficial da Receita Federal para obter uma estimativa de quanto você deverá pagar ou quanto lhe será restituído.

O que deve ser declarado?

Considera-se que os gastos com saúde são 100% dedutíveis. Isso significa que, como mencionado, o paciente pode declarar os procedimentos e consultas na clínica, logo, o médico também é obrigado a fazê-lo.

Estas despesas são passíveis de comprovação através de notas e recibos, que devem conter a assinatura do profissional, seu nome completo, CPF e os dados do paciente.

O que pode ser deduzido?

A regra é que quanto mais despesas dedutíveis são declaradas no modelo completo, maior a restituição. No entanto, é necessário atentar para quais gastos médicos podem realmente ser deduzidos no Imposto de Renda. Aqui, trazemos alguns deles:

  • material de consumo e de escritório;
  • pagamento para o Conselho de Classe (como o CRM) e sindicatos;
  • todos os funcionários registrados e encargos de contratação de equipe;
  • gastos de manutenção do escritório (como água, luz, telefone, aluguel);
  • despesas de propaganda;
  • gastos com serviços e programas de gestão;
  • despesas com dependentes.

Quais são os riscos de uma declaração errada?

A Receita Federal é munida de um sistema de revisão de todas as declarações, que cruza as informações de quem as preenche para verificar sua veracidade. Caso seja percebida alguma inconsistência (por exemplo, o paciente declarar uma despesa não informada pelo médico), cai-se na “malha fina” e é necessário dar explicações sobre a declaração.

Dependendo do parâmetro que deu origem a essa inconsistência, o processo é interrompido e, caso não sejam apresentadas as informações e documentos solicitados, é considerado que ocorreu uma infração à legislação tributária.

A chave para o sucesso não vem se deixamos tudo para a última hora, ou seja, quando é aberto o processo, mas sim quando há um planejamento diário.

Como vimos, manter a gestão da clínica organizada é fundamental para uma declaração do Imposto de Renda médico mais tranquila e correta. Deixar o planejamento para os momentos finais predispõe que haverá esquecimento de dados essenciais ou preenchimento incorreto dos dados, trazendo a possibilidade de cairmos na malha fina.

Gostou do post? Quer saber mais sobre dicas para consultório, otimização de tempo na prática médica e manutenção eficiente de sua clínica? Siga nossas redes sociais! Estamos no Facebook, LinkedIn e Twitter.

Dê-nos sua opinião